salve.seus.dados@gmail.com

Mês: janeiro 2020

Nota de Desagravo

A página Serpro++ publicou uma nota na qual rebate as afirmações feitas pelo Secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, em entrevista concedida à Rádio Gaúcha. Durante sua fala, além de tentar justificar a privatização de Dataprev e Serpro com explicações que não se sustentam diante de uma análise mais aprofundada, o secretário também acusou os funcionários dessas empresas, dando a entender que eles vendem os dados da população.

Compartilhe:

Nesta terça-feira a greve da Dataprev se expande pelo país. O recado foi dado: não às demissões e à privatização

Conforme divulgado na página da Frente Nacional dos Trabalhadores em Informática (FNI), a greve contra a demissão de 494 trabalhadores da Dataprev, que poderiam ser realocados no INSS para trabalhar nas filas, alcançou todo o país no dia 28/01. Com isso, todas as unidades da empresa, desde as que o governo pretende fechar até as que a diretoria da empresa pretende, num primeiro momento, manter, se encontram paralisadas.

Compartilhe:

Roberto Requião repudia a privatização de Dataprev e Serpro

Roberto Requião, político paranaense filiado ao MDB que já foi governador, senador, e deputado pelo estado, gravou depoimento se posicionando contra a privatização de Dataprev e Serpro.

Compartilhe:

Relato sobre funcionária na lista de demissões escancara o impacto negativo que os desligamentos terão em projetos da Dataprev

Um dos argumentos utilizados para demitir quase 500 funcionários alocados nas Unidades Regionais espalhadas pelo país é que as mesmas deixaram de fazer sentido devido à baixa quantidade de atendimentos realizados pelas mesmas. Entretanto, ao longo dos anos, os funcionários dessas localidades deixaram de ser focados no atendimento ao INSS e passaram a atuar na construção dos sistemas que a Dataprev produz. Este relato, escrito por membros da Unidade de Desenvolvimento do Ceará sobre uma funcionária alocada na Unidade Regional do Espírito Santo (que a empresa planeja fechar), escancara como a demissão desses empregados afetará a qualidade de sistemas e soluções tecnológicas que são essenciais para o país.

Compartilhe:

Por que estamos em greve?

Não estamos em greve por 1% a mais de aumento salarial. Estamos em greve simplesmente pela manutenção dos nossos empregos. É agora ou nunca! Quanto mais juntos estivermos, quanto mais de nós estivermos em greve, mais força o nosso movimento ganha, mais poder de barganha e negociação com a empresa. Então, quando você estiver trabalhando, e ver a cadeira ao lado vazia, lembre que o seu colega está lá fora tentando defender o emprego de ambos.

Compartilhe:

Saiu na mídia – Mattar foi desmentido pela presidente da Dataprev

O site Capital Digital notou uma visível incoerência entre membros do governo atualmente ligados ao destino que Dataprev e Serpro – e os serviços sensíveis de Estado que prestam – terão. Enquanto a presidente da Dataprev escreve para os funcionários da empresa que a demissão de 500 empregados nada tem a ver com o processo de privatização; o secretário Salim Mattar comemora os desligamentos no Twitter como parte integral deste trâmite.

Compartilhe:

Saiu na mídia – Trabalhadores da Dataprev aprovam greve contra demissões e privatização

A Rede TVT falou sobre a deflagração de greve na Dataprev e ouviu representantes dos trabalhadores sobre os motivos que influenciaram essa decisão, dentre elas a demissão de quase 500 funcionários que poderiam ser realocados para trabalhar nas filas do INSS; e as acusações falsas de Salim Mattar, que acusou empregados de Dataprev e Serpro de vender dados dos cidadãos.

Compartilhe:

Saiu na mídia – Humilhação: Funcionários demitidos da Dataprev saem com pertences em sacos de lixo

A Revista Fórum publicou matéria em que reportou a situação degradante pela qual empregados da Dataprev de Sergipe passaram. Devido à greve deflagrada na unidade regional do estado para protestar contra as demissões planejadas, a diretoria da empresa resolveu adiantar o processo de desligamento dos funcionários e enviou suas equipes para a localidade antes do previsto, no mesmo dia em que a paralisação ocorreria, o que obrigou os trabalhadores a sair do prédio sem tempo para arrumar seus pertences.

Compartilhe:

Saiu na mídia – Já que a ordem é cortar gastos na Dataprev, que tal começarmos pela mamata?

O site Capital Digital fez uma publicação na qual questiona os métodos utilizados pela atual diretoria da Dataprev para enxugar custos. Segundo a matéria, enquanto demitem 500 funcionários da empresa, que têm conhecimento previdenciário, num momento onde as filas do INSS batem recordes, os diretores e seus indicados custam à população brasileira a quantia anual de R$ 22.134.252,40. Desta forma, no mesmo momento em que funcionários concursados e com longa carreira na Dataprev são enxotados, empregados que entraram pela janela continuam a gozar de salários que passam de 20 mil reais.

Compartilhe:

Saiu na mídia – Vazamento na Microsoft expõe 250 milhões de registros de clientes

Salim Mattar, Secretário Especial de Desestatização do governo, gosta de afirmar – ao tentar justificar a privatização de Dataprev e Serpro – que os dados do país estariam mais seguros nas mãos de gigantes da tecnologia do que com Dataprev e Serpro. Para isso, costuma dar como exemplo a contratação – por parte do Pentágono – dos serviços da Microsoft para o armazenamento de seus dados: informação essa que é falsa, uma vez que os dados continuarão dentro da instituição de segurança americana. O argumento é ainda mais fortemente desmontado pelo fato de que, como reportado pelo site Olhar Digital, a própria Microsoft acaba de vazar dados de 250 milhões de clientes.

Compartilhe: